Amigas do Peito

Na fila para adoção há quatro anos, a professora de dança do ventre e publicitária Elka Rodrigues ganhou a guarda de um bebê prematuro há um mês, depois que, ao encontrá-lo e servir de mamãe-canguru, começou a aleitar. “Acredito que o processo de lactação foi um milagre”, conta. Elka não tem filhos e assustou-se quando começou a produzir leite. O juiz da 1ª Vara da Infância, na hora da decisão, com apoio de laudo médico, concordou que o caso beira o milagroso.

© 2001 Todos os direitos reservados à Agência O Globo

Comentários:

Queridos companheiros, que bom que presenciamos estes “milagres” com
freqüência cada vez maiores. Desde que a Vilma e da Joana participaram do I ENAM e trouxeram publicamente a experiência (e também conseguiram licença maternidade por adoção), temos acompanhado um crescente número de mulheres que amamentam seus filhos adotivos. Em nossos grupos de apoio, volta e meia aparece alguém com esta realidade, embora não apareçam nos jornais. Seria bom que fosse mais divulgado para haver maior procura de informação, inclusive.
Maria Lúcia Futuro,
Amigas do Peito - 1/10/2003

Desculpe mas o que o jornal chama de milagre nós de banco de leite já vimos ocorrer com muitas mães. Abraços a todos
Rosangela - Lista L-Materno - 30/9/2003

Maria Lucia,
concordo com você quando diz que experiências como estas deveriam ser mais divulgadas. É incrível como a maioria das pessoas desconhece a possibilidade de uma mãe adotiva lactar e amamentar o seu bebê. É muito bom ouvir histórias assim !!!!
Um abraço,
Flávia Bessa
Amamentare/RJ - 1/10/2003